Grupo de botos-cinza aparece no mar da Barra da Tijuca e na Baía de Guanabara

5 de Janeiro, 2023


Grupo grande de botos-cinza aparece na Baía de Guanabara / Crédito: Paulo Oberlander
Grupo grande de botos-cinza aparece na Baía de Guanabara / Crédito: Paulo Oberlander

Um grande grupo de botos-cinza foi visto nadando no mar da Barra da Tijuca e na Baía de Guanabara, no dia 4 de janeiro. Segundo o Instituto Mar Urbano, o grupo era formado por cerca de 600 botos-cinza.

De acordo com o oceanógrafo do Laboratório de Mamíferos Aquáticos e Bioindicadores (MAQUA) do Departamento de Oceania da UERJ, José Lailson, é a primeira vez, em 30 anos, que um grupo de botos tão grande é visto passando pela região da Baía de Guanabara. O especialista explica que esse tipo de boto costuma ser visto normalmente no litoral do Estado de São Paulo e na Baía da Ilha Grande.

A presença dos botos é uma boa notícia já que significa que a qualidade da água da baía está melhorando pois está atraindo os animais. Esse grupo pertence à população da Baía de Ilha Grande e é formado por mães, filhotes e juvenis. Eles permaneceram por dois dias na região. “Neste mês de janeiro faremos uma espécie de recenseamento da população de botos da Baía de Guanabara para verificar se alguns desses botos que apareceram não foram embora e ficaram por aqui. Nós já identificamos os botos por alguns sinais e outras características físicas então temos condições de saber se um boto é novo no grupo”, explica José Lailson.

De acordo com registros históricos, na década de 80, a Baía de Guanabara chegou a ter 400 botos em toda a sua extensão. A presença desses animais nesses locais se explica pela oferta de alimentos, abrigo, proteção contra predadores e a segurança para o nascimento e crescimento de seus filhotes. Infelizmente devido à poluição sonora, pesca e o fato da águas estarem sujas e contaminadas, a quantidade de botos hoje não passa de 30. Dessa forma, é fundamental que ações para melhoria da qualidade das águas da baía continuem e se intensifiquem para que os botos possam sobreviver e se perpetuar.

A passagem dos botos foi filmada e foi um espetáculo. Para ver a reportagem no G1 RJ, clique aqui.